Dia do Professor, curiosidades sobre uma das profissões mais antigas do mundo

O Dia do Professor nos leva ao desafio do ensino, e os paradigmas da sociedade contemporânea.

dia-do-professor

Professor é profissão. Educador é missão.”

Salomão Becker

Dá para imaginar como seria uma sociedade sem professores? A princípio, a imagem que nos vem à cabeça é de caos e estagnação. Afinal, como evoluir sem o conhecimento adquirido por nossos antepassados?

A profissão de professor é uma das mais antigas de que se tem conhecimento. Para se ter uma ideia, o filósofo grego Sócrates era professor de Platão, e isso foi há cerca de 2.500 anos atrás.

Claro que na época não existia uma formalização da profissão, mas a essência era a mesma: instigar os alunos a pensar, gerando novas ideias e contribuindo para a evolução da sociedade.

No Brasil, um dos primeiros professores de que se tem registro foi o padre José de Anchieta, que tinha a missão de ensinar a língua portuguesa aos filhos dos índios. Mas todos sabemos que os próprios índios já exerciam a função de professor, transmitindo o conhecimento sobre as plantas e a vida na floresta, de geração a geração.

“O magistério é uma eterna doação de amor, de conhecimento, de experiências de vida.”

Luis Alves

O Dia do Professor no nosso país surgiu a partir de um decreto de D. Pedro I, no ano 1827, quando foi definido o Ensino Elementar no Brasil. Mas foi 120 anos depois que o houve a primeira celebração oficial.

Atualmente, apenas na educação básica, existem cerca de 2,4 milhões de professores no Brasil. Isso sem contar os professores universitários e os outros professores, que dão aulas de música, línguas e esportes.

Mesmo assim ainda não chegamos em um nível satisfatório de reconhecimento e valorização dessa classe profissional, concordam? Por isso, uma das nossas obrigações com as futuras gerações é mostrar o respeito que devem ter com esses profissionais.

A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.”

Paulo Freire

Talvez uma coisa que ninguém se lembre é que professor também é aluno. Está sempre buscando novos conhecimentos, fazendo cursos e estudando. Como todas as outras profissões, é uma formação que não permite acomodação, e não estagna.

Pode-se afirmar que um dos maiores desafios dos professores é lidar com a mudança radical de comportamento da nova geração, que criou um imediatismo e agitação generalizados.

Ocasionada principalmente pela disseminação da internet e dos dispositivos móveis, o novo paradigma vem mudando a dinâmica da sala de aula, mas muitas instituições ainda estão se adaptando.

Diante deste paradigma, alguns pais optam por escolas com métodos diferentes de ensino, que vão além da matéria ou conteúdo em si. Conheça alguns métodos de ensino bem diferentes do tradicional, todos existentes no Brasil:

Logosófico, voltado para o ser humano:

Criada pelo pensador e humanista argentino Carlos Bernardo González Pecotche, a escola propõe uma educação voltada à formação mais consciente do indivíduo perante a sociedade.

O objetivo é estimular os alunos para que sejam pessoas cada vez melhores, conscientes de seus atos e sentimentos.

Waldorf, estimula a criatividade:

Com algumas unidades no Brasil, o objetivo desta escola é nutrir a imaginação e encorajar a criatividade, conduzindo os alunos a um pensamento livre e autônomo.

A escola também busca desenvolver a personalidade das crianças de forma equilibrada, estimulando a clareza de raciocínio, o equilíbrio emocional e a iniciativa da ação.

Montessori, respeita a evolução da criança:

O ponto mais importante do método é que a educação se desenvolva com base na evolução da criança, e não o contrário.

De acordo com o método, cada fase da vida da criança é propícia a determinado aprendizado, e isso deve ser respeitado. Os seis pilares deste método são a autoeducação, educação como ciência, educação cósmica, ambiente preparado, adulto preparado e criança equilibrada.

Sobre o autor